#notícias EM TEMPO REAL
  • 15/12/2017
    Senado garante pagamento do 13° de servidores públicos de Minas

    O  Senado deu o primeiro passo, nesta quarta-feira, para garantir o pagamento do 13º salário do servidores públicos de Minas. O  senadores aprovaram na noite de hoje, em plenário, por 43 votos a favor, 18 contra e duas abstenções,  a securitização das dívidas da União, estados e municípios. 

    A aprovação do projeto de lei significa uma receita extra estimada em R$ 25 bilhões só para o estados. Minas calcula arrecadar entre R$ 1,8 bilhão e R$ 2 bilhões. 

    O próximo passo agora para garantir recursos para os cofres públicos depende de aval da Câmara com a votação em plenário da Casa.

    Entenda

    O projeto do senador José Serra (PSDB-SP) permite aos entes federados vender o direito sobre créditos que tenham a receber, sejam eles de origem tributária ou não. Assim, antecipam a receita e evitam o risco de inadimplência. Em troca, o governo aceita um deságio (desconto) sobre o valor a receber.

    Pela lei atual, estados e municípios já podem ceder o direito de dívidas pendentes. Mas, segundo o autor do projeto, senador José Serra (PSDB-SP), persiste uma insegurança jurídica em relação a esse tipo de operação.

    Regras

    O Projeto de Lei do Senado (PLS 204/2016) impõe condições para a securitização: autorização do Poder Legislativo respectivo (federal, estadual ou municipal); não modificação da natureza do crédito e das condições de pagamento; não transferência da competência para a cobrança dos créditos; cessão definitiva dos direitos; e parcelamento dos créditos.

    O projeto prevê a criação de uma sociedade de propósito específico, com a atribuição de fazer “pacotes” de créditos e convertê-los em títulos ou debêntures padronizados, negociáveis no mercado de capitais.

    O relator na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) foi o senador Romero Jucá (PMDB-RR). Ele acolheu sugestão do senador Aécio Neves (PSDB-MG), que impede a aquisição dos direitos creditórios por instituições financeiras públicas, para evitar “influências políticas”.

    Outra emenda, apresentada pelo então senador José Aníbal (PSDB-SP), deixa claro que a alienação de direitos creditórios não configura operação de crédito, mas venda de bens e direitos do patrimônio público. A mesma emenda subordina a realização das operações ao calendário eleitoral, para evitar que a ação de um governante em fim de mandato esvazie as receitas dos mandatários seguintes.

Compartilhe com seus amigos: